sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Estágios do Deserto



De tudo o que ouvi até hoje na área de aconselhamento familiar, pude concluir que, desde a entrada no deserto à saída, o dia de vitória, as pessoas passam por TRÊS estágios diferentes que duram tempo diferente.

Leia com atenção as características de cada um e veja em qual você se encontra.

1º Estágio: é a fase inicial. A pessoa se encontra assustada (pois antes nunca estivera sozinha dentro de uma casa), profundamente triste, abatida espiritualmente, sem rumo nem direção a seguir. Algumas, nessa fase, pensam até em tirar a própria vida. Mas tudo não passa de desespero e fruto da imaturidade espiritual; afinal, a pessoa está enfrentando uma realidade diferente, nova, difícil. É muito comum nessa fase ouvirmos frases repetidas do tipo “meu cônjuge fez isso, me disse isso”, como uma forma de desabafo. A pessoa quer arrancar algo dentro dela que insiste em não sair. As orações são recheadas de muita dor, lágrimas; um misto de saudade e decepção. O mundo, ao redor, parece todo destruído como um Tsunami que passou arrastando e destruindo tudo de uma hora para outra. Esse é o estágio do pessimismo, da fé fragilizada, da afirmação “acho que não tem mais jeito”. Momento em que a pessoa age com pouca sabedoria (não usa mais a aliança, conversa sobre o problema com qualquer pessoa que encontra no caminho; quando tem oportunidade discute bravamente com o cônjuge) e é conduzida pelas emoções. A fragilidade absoluta pode ser muito perigosa, pois o caminho a ser seguido pode trazer vitória como pode trazer mais decepção. Cuidado: você está nessa fase, mas não significa que tem que permanecer nela. Chegará um momento em que não haverá mais lágrimas, a pessoa receberá um perfeito aconselhamento, será obediente e logo estará no segundo momento do deserto.

2º Estágio: é a fase do equilíbrio, da confiança. Agora, sim, a pessoa atingiu um nível adequado de qualidade espiritual. Está mais sensata, já sorri, brinca, participa mais do meio social e familiar. A oração é mais segura, mais firme, sem dor. Não conta mais o problema nem fala mais do cônjuge para ninguém (nem mesmo para o conselheiro espiritual). Os olhos estão mais limpos do pessimismo. O mundo, ao redor, não está tão destruído assim como se imaginava antes. Há coisas que ficaram de pé, e o que foi destruído pode ser reconstruído por DEUS. Nesse estágio, a pessoa elabora projetos de vida para si mesma: cursos, trabalho, cuida-se esteticamente etc. Desvinculada do problema e do cônjuge, a pessoa marcha confiante em DEUS em busca da grande vitória, da saída do deserto.

3º Estágio: meses ou anos se passaram. A pessoa não viu nada acontecer. DEUS permitiu que ela não visse. Por isso, quem está no deserto e caminhando nesse terceiro e último estágio, imagina que a restauração familiar é algo perdido, que não irá mais acontecer. Não há mais notícia do cônjuge. Tudo parece estar no mar do esquecimento total. Em outras palavras, a pessoa conseguiu se libertar totalmente do problema; foi moldada por DEUS, torna-se um ser mais maduro, responsável, com outra visão da vida e do casamento. A pessoa está tão curada e desligada de tudo, que as coisas no mundo espiritual correram rapidamente. O cônjuge, nesse tempo todo, envolveu-se mais e mais no pecado, endureceu o coração no limite, e a vida pecaminosa, longe de DEUS, levou-o á desgraça espiritual, à miséria, à falência, à dor, ao fundo do poço e a consequente presença de DEUS se manifestou na vida dele. Os olhos espirituais são abertos, o coração duro, de pedra, foi substituído por um coração de carne; os ouvidos estão sensíveis á voz do TODO PODEROSO. De um lado, esquecimento total; do outro, pleno arrependimento. É hora então de voltar para casa. O casamento foi restaurado por DEUS.

Por isso, eu afirmo: independentemente do estágio em que você se encontra, são imprescindíveis duas armas: fé e sabedoria. Não queira restaurar o seu casamento com suas próprias forças. Com tantas barreiras, ainda não se reconheceu impotente, frágil e dependente de DEUS? Confie no SENHOR; entregue tudo a ELE. O que você não pode fazer, certamente DEUS fará para ti. NOSSO SENHOR não se esqueceu de você nem da sua causa. O tempo do deserto é apenas um respeito à liberdade humana que ELE mesmo concedeu ao homem. O homem quer desobedecer ao PAI? DEUS vai permitir, até que o próprio pecado leve o desobediente à derrocada de sua alma, de suas expectativas. DEUS não vai se desfazer daquilo que fez. Mas porque ELE É FIEL, misericordioso e justo, o CRIADOR vai atender a oração do Seu filho, que clama e suplica pela restauração familiar. Um filho que entende que não pode ser de outra pessoa além do marido (ou da esposa). Um filho que apenas quer uma chance de fazer tudo diferente, alicerçar a família na presença de DEUS. E por isso, DEUS o atenderá!

Um comentário:

  1. Meu Deus, como eu precisa ler isto. Site abencoado.

    ResponderExcluir

Postagens populares